Olá famílias!

O legal de fazer reciclagem é que os amigos começam a juntar 'sucatas' pra você! E isso tem acontecido comigo...rsrs Ganho bolsas com caixinhas, rolinhos, Cd's, plásticos, papeis, garrafas etc.

Ganhei esses dias umas placas de papelão e fiquei pensando em fazer um quebra cabeça pra JM, um quebra cabeça simples, que ele possa montar e desmontar tranquilamente e daí surgiu a ideia de fazer uma pista de carros.

O resultado ficou simples, ideal pra JM montar o quebra cabeça sem problemas e brincar com carrinhos grandes e pequenos também.

Enquanto a mamãe fazia o desenho da pista, JM fazia sua 'obra de arte'!
Hora de montar o quebra cabeça e brincar!

Abraços,
Genis ;)



Olá famílias,

Hoje a reciclagem será um pouquinho diferente... 
Como nosso Natal será regado de Reciclagem,simplicidade criatividade e a ideia da vez é transformar uma pizza simplesinha numa árvore de Natal!

Quem topa fazer esta 'arte' comigo?

Oba, mãos na massa então!

Pizza pronta, daquelas que a gente compra no supermercado...


Fui cortando imaginando uma árvore de Natal... 


Primeira parte pronta... agora é mais fácil fazer o outro lado...


Hummm.... já tá com carinha de árvore mesmo! 
E as azeitonas ficaram ótimas, se assemelhando às bolas de Natal...


Acrescentei algumas coisinhas que tinha em casa mesmo...

JM 'examinou'... 


Fez um charminho...

E aprovou!
Ufa...rsrs

Pizza já foi ao forno e está prontinha para degustação...

Servidos?


Doces beijinhos em clima de Natal,
Genis ;)
Olá famílias!

E pra hoje, teremos uma linda borboletinha feita com morangos, maçã e banana!
Quem vai querer?


Hmmmm.....

Beijos, 
Genis ;)


Quando ainda pequenos, é normal que a criança acredite em Papai Noel, Super Herois, Fada dos dentes etc. 

A desconfiança de que tais personagens não existam começa a acontecer por volta dos 6, 7 anos, quando o pensamento da criança começa a ficar mais lógico e ela começa a comparar situações. Mas nos dias de hoje está cada vez mais difícil essa fantasia se manter por muito tempo, pois as crianças tem um acesso muito grande à informações devido ao mundo virtual.

Acreditar em figuras imaginárias ajuda a criança a lidar com os seus pensamentos, enriquece o imaginário e favorece a exploração das ideias. 

Se em algum momento a criança questionar a veracidade da existência do Papai Noel, o importante é que se fale a verdade, aceitando que seu 'pequeno' cresceu. O ideal é que a desconfiança parta da própria criança e não seja uma forçação da parte do adulto em dizer que Papai Noel não existe, assim como os outros personagens da imaginação infantil.

JM  esses dias no supermercado ficou preocupadíssimo quando viu uma bota, que faz parte da decoração de Natal, pendurada. Ele logo gritou "Mamãe, Papai Noel 'pedeu' a bota, tadinho mamãe, vamos levar 'pa' ele!" As pessoas que estavam por perto começaram a rir e a achar bonitinho... rsrs

Desde bebezinho JM se interessou pelo 'bom velhinho' e eu deixei ele naturalmente ir acreditando, sem forçar o contrário. Mas no que ele acredita? Acredita que tem um homem vestido de roupa vermelha, que gosta das crianças e que dá presentes.

Jamais irei substituir a figura de Jesus, o verdadeiro sentido do Natal, pela figura de Papai Noel. Papai Noel não é Papai do Céu, isso é fato e JM sabe perfeitamente a diferença entre eles.

Não sei quando será o momento que ele descobrirá a verdade, ou seja, que Papai Noel não compra realmente os presentes, mas estarei aqui pra orientá-lo e ajudá-lo a chegar as suas próprias descobertas.

Eu acreditei em Papai Noel até uns 6 anos mais ou menos. Meu pai colocava os brinquedos de Natal no meu quarto durante a noite e quando acordava era aquela festa, mas sempre me lamentava por estar dormindo e pensava "Poxa, não vi o Papai Noel de novo...." 

E você, qual sua opinião sobre o assunto? Seu filho acredita em Papai Noel ou em outros personagens imaginários? Você permite que ele acredite ou proíbe tais fantasias? Deixe suas respostas no comentário.





Beijinhos,
Genis ;)


* Respeito as opiniões de quem não gosta do Natal e muito menos de Papai Noel. Gostaria de respeito nos comentários. Acreditar ou não, permitir ou não, é a escolha de cada pai, mãe e família.