Já ouvi muitos casos de que desde que a mulher anuncia sua gravidez no trabalho, é vítima de preconceito. Imagina quando sai de licença maternidade? Muitas ouvem piadinhas de que licença maternidade é como férias prolongadas e nós, que somos mamães, sabemos que isso não é verdade. Licença maternidade, seja para mães de primeira viagem ou para mamães mais experientes, é um momento total de dedicação ao bebê, adaptação à nova rotina, muitas noites mal ou não dormidas e não tem nada de descanso total e passeios, como acontecem nas férias.

Graças a Deus, eu faço parte da exceção das mulheres que recebem carinho de seus chefes. Em uma das escolas em que trabalhava, na época da gravidez, recebi total apoio da direção e trabalhei somente até os 5 meses em sala de aula e cumpria meu horário executando outras funções (sugestão da vice diretora, pois eu tinha muito enjoo). Na outra escola, continuei trabalhando normalmente, mas tinha uma ajudante e usava exclusivamente o elevador.

Ganhei dois chás de fraldas com muitos presentes e quando saí de licença maternidade, me sentia bem tranquila em aproveitar este momento.

Na minha licença maternidade, tive o privilégio de contar o apoio da minha mãe, que me ajudou muito. Nos 20 primeiros dias ela ficou na minha casa, me ajudando com JM, cozinhando e lavando as roupinhas dele. Meu marido fazia toda a limpeza e lavava as outras roupas e eu ficava exclusivamente para os cuidados de JM.

Quando voltei ao trabalho, recebi muito apoio da coordenação pedagógica. Por muitas vezes precisei faltar. Se JM já manifestava algum tipo de gripe, otite, qualquer coisa, eu me ausentava. Nunca trabalhei deixando JM doentinho em casa. Tirava licença médica juntamente com ele e nunca fui discriminada pelos chefes por isso. 

Como disse, sei que sou exceção e que muitas mamães sofrem assédio moral desde que anunciam a gravidez e sendo solidária à todos elas, eu afirmo:

Licença Maternidade NÃO É FÉRIAS!


Abraços, Genis ;)


Esta blogagem é uma iniciativa do blog: Mamães em Rede.
Participe!



Quem aí se lembra dos bons e velhos brinquedos feitos com madeira?

Hoje, vou resgatar um desses brinquedos: o carrinho de madeira, aquele que as crianças brincavam antigamente e atualmente foi substituído pelos carros de ferros, plásticos, eletrônicos...

Confira se ele ainda não é atual?


O caminhãozinho de JM, que além de ter todas as funções de uma carrinho "normal", vem com giz de cera na carroceria. Então, a brincadeira está garantida duas vezes: brincar e desenhar! 






Brinquedo aprovadíssimo por JM!


Abraços, Genis ;)

Olá famílias, hoje vou compartilhar com vocês a minha experiência com a amamentação.

Minha recuperação pós parto foi excelente. Meu parto foi cesária e tudo ocorreu dentro do previsto, mas uma coisa que eu não esperava que fosse doer tanto era a amamentação.

Pois é...
Depois de ter lido tanto sobre o assunto e até ter feito dois cursos sobre amamentação, entrando para a prática percebi que não era uma coisa tão simples assim.

O começo foi muito dolorido, chorei muito, mas sempre tinha em mente em não desistir e aguentar até o final. Minha mãe não amamentou nenhum dos 6 filhos e isso me dava forças ainda mais para amamentar e ela foi uma grande incentivadora para que eu não desistisse.

Eu acho que nunca orei tanto na minha vida. Quando José Marcos acordava eu já começa a orar pedindo a Deus forças pra conseguir amamentar o meu pequenino...

Os 10 primeiros dias foram cruéis, mas cada vez que conseguia amamentar, isso era motivo de choro de alegria! Ver meu filho crescendo e engordando graças ao meu leite foi muito prazeroso. Todos os dias eu pensava: Não vou desistir!! Cada dia que terminava pra mim era mais um dia vencido, um dia de vitória.

A pediatra do José Marcos tem uma enfermeira que orienta as mamães, ensinando tudo sobre amamentação e isso foi muito importante também, pois durante as orientações eu e outras mamães tirávamos muitas dúvidas e compartilhávamos nossas experiências, medos e frustrações.

Meus peitos aos pouquinhos foram 'enchendo' de leite. No começo eu tinha pouquíssimo leite, mas minha pediatra sempre dizia que não era necessário complemento, pois cada mãe produz o leite ideal para seu filho e eu fui seguindo suas orientações.

Alguns dias meus peitos enchiam tanto que era necessário tirar com a bombinha e meu marido ajudava nessa tarefa que também foi bastante dolorida, pois meus peitos empedravam.


Uma coisa muito importante que aprendi e deixo aqui como dica é que pra amenizar a dor não é preciso comprar pomada nenhuma, o melhor remédio é o próprio leite materno que deve ser espalhado em todo mamilo e aréola, depois deixar o seio livre e, se possível, um banho de sol. Eu segui direitinho essas dicas e consegui realizar o meu sonho de amamentar. Valeu a pena todo o esforço!

José Marcos mamou no peito até os 2 anos e 9 meses. Parou, porque o leite da mamãe aqui secou totalmente nessa época.


Agradeço muito a minha mãe e o meu marido pelo incentivo, carinho e paciência.
Primeira mamada logo após o parto.

Quando meu peito empedrava, tirávamos o leite com a bombinha e dávamos para JM na chuquinha.


JM mamou exclusivamente no peito até os 5 meses e quando acabou a licença maternidade, continuou com o leite materno até 2 anos e 9 meses.

E você amamentou? Conte pra mim a sua experiência com a amamentação.

Um super beijo!
Genis ;)

Olá famílias!

JM tinha me pedido pra fazer uma comida divertida de dinossauro. Eu não tinha muita noção de como fazer, mas como recebo dezenas de sugestões pelo facebook, consegui finalmente fazer o dino para alegria do filhote.

Olá famílias!

Do prato montado José Marcos não comeu todas as azeitonas (mamãe comeu), mas o restante papou tudinho e com muita alegria!!



Obrigada à todos que, quase diariamente, me enviam dicas de comidas divertidas e reciclagens.

Beijos, 
Genis ;)



Acho que a corda deve entrar para as brincadeiras mais antigas que existe!

Brincando sozinho ou em grupo, com cordas grandes ou pequenas, inventar suas maneiras de pular, foguinho, cobrinha, cair, levantar, rir, com música, contando os pulos...tudo isso faz parte dos momentos vividos com ela, a CORDA.

Brincar de corda envolve muita atividade física e coordenação. 

No meu tempo, eu era campeã de pulos com o desafio da música "O homem bateu em minha porta".

JM gosta de brincar de corda, mas ainda não tem todo o equilíbrio para conseguir pular exatamente quando a corda está passando pelos seus pés. Cai e levanta até se cansar...



Abraços,
Genis ;)

JM ganhou seu primeiro jogo de montar no aniversário de 1 aninho. Nessa época as pecinhas eram todas jogadas pra cima e o pote era colocado na cabeça!


A medida que JM foi crescendo, foi entendendo que com as pecinhas era possível criar brinquedos e objetos e a criatividade e a imaginação foram tomando conta desse momento.


Sempre que posso, fico um tempo brincando com JM e não me poupo de fazer perguntas para entender as suas descobertas e progresso no desenvolvimento.


Fiquei surpresa quando ele fez um jacaré e me mostrou. A boca e o corpo comprido foram exatamente caracterizados pelas pecinhas do jogo e isso provou que JM já estava amadurecendo.


Garagens para os carrinhos e cercados para os animais são as construções preferidas de JM, pois ele gosta muito de organização.


Hoje em dia JM possui outros jogos de montar e passa bons momentos criando objetos, inventando falas e situações e desenvolvendo a criatividade.



Abraços, Genis ;)

Todo ano, milhões de crianças com menos de 5 anos de idade morrem de infecções. Este é um dado assustador e desconhecido para muitas pessoas. 

Pensando nisso a Lifebuoy nos últimos 10 anos, tem tentado mudar esta estatística, lançando campanhas para ensinar as crianças que com o simples fato de lavarem as mãos com sabão, podemos prevenir muitas doenças, como  infecção respiratóriagripesinfecção estomacalconjuntivite, e principalmente a diarreia, pois a diarreia tem matado mais do que a AIDS!

O assunto é muito sério e como mãe e educadora não poderia ficar fora desta campanha patrocinada pela Lifevuoy, e você?


Você lava as mãos adequadamente?

Molhe as mãos e com o sabão  Lifebuoy, ensaboe bem entre os dedos, as palmas e a parte de cima delas. Faça bastante espuma enxágue-as bem para ficar livre de germes e bactérias!
José Marcos, de apenas 3 anos, já aprendeu a lição!!


Abaixo, publiquei um  vídeo dessa campanha, onde mostra Gondappa que anda com as mãos para celebrar o quinto aniversário de seu filho – seu primeiro filho que chega a seu quinto ano de vida. Gondappa mora em Thesgora, uma vila Indiana com uma das maiores taxas de incidência de diarreia do país.

O Lifebuoy pretende conscientizar os habitantes de Thesgora  e de outras vilas através de uma série de trabalhos de caridade para fazer com que mais crianças cheguem ao quinto ano de vida.