Olá famílias,

A gente fica enlouquecida com a quantidade de carrinhos dos meninos, sem contar na criatividade e paciência que devemos ter pra organizar as dezenas e até centenas deles espalhados pela casa, certo?

Pensando em como podemos organizar essas miniaturas que parecem se multiplicar, selecionei algumas ideias bem bacanas que além de organizar os carrinhos deixa a casa ou o quarto com uma decoração bem bacana!

Confira! 

















Gostaram das inspirações?
Abraços, Genis Borges =)

*Todas as imagens foram retiradas do Pinterest, caso alguma imagem for de sua propriedade, faça contato que daremos os devidos créditos. 



Olá famílias,

Pensar em viajar com bebês pode deixar as mães, em especial as de primeira viagem, com receio em relação à alimentação, vestuário, cuidados com o sol ou com excesso de frio. Mas para não transformar as férias em cansaço e não descanso, algumas dicas podem facilitar essa estadia longe de casa.

Sendo lactante, existe a vantagem de poder levar a comida do bebê no avião, por exemplo, sem passar por nenhum problema no embarque.

Se a viagem for de avião, por exemplo, veja algumas dicas para fazer com que a amamentação durante o voo seja o mais fácil possível:

Manual da amamentação durante as viagens de avião para as mamães:

Imagem Freepik

1. Com Que Roupa Eu Vou:

Use roupas confortáveis e um sutiã de amamentação. Muitas mães optam por blusas com botão ou zíper para um acesso mais fácil e discreto no momento da mamada.

2. Mala do Bebê e da Mamãe:

Você provavelmente vai separar uma troca de roupas para o seu bebê, mas não se esqueça de você! Leve uma blusa extra em sua mala de mão para que você possa trocar no caso do bebê regurgitar ou de qualquer outro imprevisto. Lembre-se também de levar itens essenciais como sua pomada de Lanolina HPA e absorventes para seios.

3. Amamentando em Público:

Algumas mães não se sentem a vontade amamentando em público, principalmente no avião onde tem muita gente desconhecida e não há espaços mais reservados. Se esse for o seu caso, leve um cobertorzinho ou fraldinha de pano em sua mala de mão, e cubra durante a mamada.

Caso não tenha constrangimentos e opte por não usar nenhuma cobertura, esteja ciente de que outro viajante pode sentir-se incomodado e reclamar com a tripulação. Se uma situação lamentável como essa acontecer, fique calma e sugira à aeromoça que troque a pessoa de assento. Mas a maioria das mães não tem problemas em amamentar durante voos, por isso não deixe o “e se...” te impedir de alimentar seu bebê.

4. Decolagem e Aterrissagem:

Há indícios de que o processo de deglutição ajuda os bebês a se adaptarem na mudança de pressão. Portanto, o voo pode ficar mais confortável para seu filho se você der de mamar durante a decolagem e/ou a aterrissagem. Além disso, amamentar durante estes momentos da viagem evita que o recém-nascido tenha dores de ouvido.

5. Leite Materno Extraído:

Se você pretende extrair o leite antes da viagem e levá-lo em sua mala de mão para dar ao seu bebê, é importante saber as regras da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Em viagens internacionais, podem ser levados até 100ml de líquidos na bagagem de mão, porém há uma exceção para alimentação infantil, segundo o próprio site da Agência: “Medicamentos (com prescrição médica), alimentação de bebês e líquidos de dietas especiais poderão ser transportados na quantidade necessária à utilização no período total do voo (incluídas eventuais escalas) e deverão ser apresentados no momento da inspeção de segurança”. 

Ao chegar ao destino das férias, uma opção interessante é a extração e o armazenamento do leite, que pode trazer mais praticidade e tranquilidade. A mãe pode extrair o leite com uma bomba manual, por exemplo. Elas são pequenas, desmontáveis e não precisam de carregadores, tomadas ou pilhas. Aliadas aos saquinhos de armazenamento, no geral, também discretos e que não ocupam espaço na mala e no freezer quando chegar a hora do armazenamento.

Boa viagem! Genis Borges ;)
Contribuição Lansinoh.


Olá famílias,

O ano de 2017 já começou e com ele traçamos algumas metas e objetivos para serem realizados. Nessa listinha de resoluções tem uma que é recorrente e merece atenção especial: ter o primeiro filho. Eu engravidei logo no início de 2009, da parada do anticoncepcional até descobrir que estava grávida foram 5 meses! Foi um tempo bom para me planejar, apesar de que o resultado foi uma grande surpresa, pois ter os ovários policísticos me fazia pensar que fosse demorar muito para engravidar. Segundo a ginecologista e obstetra do Grupo Perinatal Luciana Cima, se você quer engravidar em 2017, deve considerar três meses antes da data de concepção para engravidar com segurança.

“O ideal é agendar uma consulta pré-concepcional com seu ginecologista ou obstetra para receber orientações gerais, atualizar seus exames da rotina ginecológica e iniciar o uso do ácido fólico. E se você fuma ou consome álcool, também é importante pausar esses hábitos, no mínimo, três meses antes”, diz dra. Luciana.

Para quem está usando anticoncepcional, a ginecologista recomenda um trimestre sem a pílula antes da gravidez, para uma boa recuperação do endométrio. No entanto, se você já estava grávida sem saber enquanto usava o contraceptivo hormonal, não se preocupe. “A gestação pode ser acompanhada normalmente”.

Segundo ela, durante a consulta, o médico avaliará os antecedentes clínicos e genéticos da futura gestante e da família, os hábitos de vida e ainda fará um exame clínico e ginecológico cuidadoso. Dra. Luciana recomenda, ainda, que a carteira de vacinação esteja atualizada e que a paciente já tenha um acompanhamento médico de rotina.

“É importante realizar o preventivo anual, o rastreio de câncer de mama, exames de sangue para investigação de diabetes, doenças da tireoide e avaliar sorologias para doenças infecto-contagiosas que apresentam alto risco fetal se contraídas durante a gravidez. No caso de doenças pré-existentes, as orientações e planejamento mudam de acordo com o tempo necessário para controlar certas doenças”, explica.

Imagem Freepik

Mudança nos hábitos

Para aquelas que têm medo de engordar, a médica ressalta que é necessário cuidado. “Exercícios muito intensos podem dificultar a concepção e levar ao crescimento fetal restrito. Prefira treinos que melhorem a capacidade física e cardiovascular, proporcionando menor ganho de peso materno e sensação de bem estar”.

E, se você já pratica algum tipo de atividade física, boas notícias: a gestante poderá manter as atividades que já pratica, exceto em casos de esportes de contato ou combate, como o boxe, que podem botar em risco a segurança da gravidez.

Outra preocupação que pode ser dispensada, de acordo com a médica, é de comprar comprimidos polivitamínicos para a saúde do bebê. Uma dieta balanceada garante a ingestão de uma quantidade adequada de vitaminas necessária para o crescimento saudável do feto. “A paciente deve repor somente se houver diagnóstico de alguma deficiência vitamínica específica”, informa.

Estar grávida é um momento maravilho, mas se você engravidou e não se planejou, não se desespere! Procure o quanto antes por seu ginecologista e curta cada segundo desse momento tão maravilhoso e que passa tão depressa! Lembre-se que Deus te confiou a vida de uma outra pessoa, cuide bem dela. 

Beijos maternos, Genis ;)


Olá famílias, 

As férias estão aí e que tal preparar uma viagem em família? Para quem tem um bebê em casa, selecionei algumas dicas e soluções bem importantes.  As dicas são do Dr. Jofre Cabral, pediatra e neonatologista da Perinatal. Confira!

Imagem Freepik


  • No avião: Nos procedimentos de decolagem e pouso é comum que a criança sinta a pressão no ouvido e isso lhe cause desconforto. “O movimento de sucção ao mamar, geralmente, é o suficiente para aliviar esse problema. Caso a criança continue reclamando, fazer calor no ouvido, com a própria mão ou uma cobertinha, para diminuir essa pressão,”.

  • Farmácia: Dr. Jofre sugere uma consulta antes da viagem para ver se o bebê precisa de algum medicamento específico. “Para os casos mais comuns, é recomendado um antitérmico e um termômetro para febre, mordedores para os dentinhos, soro fisiológico, creme para assaduras, filtro solar, pinças pequenas para o caso de farpas ou ferrões de insetos, pomadas cicatrizantes, gaze, tesourinha, esparadrapo para feridas e remédio para gases. Antibióticos são desnecessários e todos os medicamentos prescritos precisam ser transportados juntos com suas receitas”.

  • Sol e estrada: “Para crianças acima de seis meses de idade é sempre importante aplicar o filtro protetor solar e respeitar os horários de exposição segura ao sol – antes das 10h e depois das 16h. Caso ele seja um pouquinho mais novo, não pode usar protetor e, por isso, o cuidado é ainda maior. Leve um chapéu, fique na sombra e não permita que o bebê fique exposto por mais que 15 minutos. Em viagens de carro, é bom cobrir as janelas para evitar que o sol atinja o bebê. Para viagens a locais frios e nevados, roupa adequada e manteiga de cacau, para proteger os lábios”.

  • Emergências: Para evitar sustos, o médico sugere levar o telefone do pediatra e dos contatos de emergência, não esquecer a carteirinha do plano e ter conhecimento dos hospitais mais próximos da região em que ficará hospedado. “Também sugiro que as mães saibam fazer soro caseiro para o caso de desarranjos intestinais”. A receita recomendada pelo UNICEF é: uma medida rasa de sal da colher padrão para duas medidas rasas de açúcar em um copo com água. A colher padrão é distribuída gratuitamente nos postos de saúde e farmácias populares.

  • No hotel: Dr. Jofre sugere também que a mãe fique atenta às cozinhas dos hotéis, para verificar a possibilidade do preparo rápido de refeições específicas para a criança ou ainda se permitem que a mãe possa preparar a comida do bebê. Em relação à amamentação, a orientação é não carregar o leite. “O melhor meio de transporte do leite é dentro do seio. Mas, caso ela deseje levar, lembro que o leite deve ser conservado na geladeira por 24 horas. Se congelado, dura até 15 dias”.

  • Na estrada: Em viagens de carro, a segurança fica em primeiro lugar. “A cadeirinha com o cinto de segurança adequado é fundamental para o transporte do bebê e a mãe deve retirá-lo dela com o carro totalmente desligado. Os pais devem também garantir que haja cintos disponíveis para todos da família e programar paradas a cada três horas para olhar o bebê ou a cada vez que ele reclamar”.

  • Turistando: Na cidade, o pediatra dá algumas dicas para o dia. “Bebês mais novos podem ficar tranquilamente no canguru ou no sling, desde que estejam confortáveis. Já crianças mais velhas, terão mais liberdade se caminharem. Recomendo também aos pais que levem um edredom pequeno ou uma toalha mais grossa para o caso de querer colocar a criança na grama ou na areia. Dessa forma, podemos evitar surpresas como mordidas e/ou picadas de animais e insetos.”.


  • Uma ótima viagem e boas férias!