Quando eu era criança ouvi muitas vezes esta expressão "Dente de ferro!" Todos os que usavam aparelho recebiam este apelido.

Ainda hoje vemos crianças de aparelho e a cada dia as técnicas de correção ortodôntica estão mais avançadas e com isso o benefício é de nossas crianças. 

Mas, quando a criança deve começa a usar aparelho? Depende do tipo de amamentação, do tipo de respiração, dos hábitos alimentares, dos hábitos para funcionais, de fatores genéticos... Depende de cada criança!

Alguns problemas de desenvolvimento necessitam de intervenção ainda quando os dentinhos decíduos (dentes de leite) estão presentes, outros na dentição mista, outros na dentição permanente, outros passam por todas estas fases e outros ainda, iniciam em uma fase, faz-se uma pausa e depois continuam em outra. As possibilidades são muitas!

Um profissional especialista em ortodontia e ortopedia fará a melhor avaliação para o caso específico de seu filho e conduzirá o tratamento com o objetivo de harmonizar os problemas de desenvolvimento para que no fim ele tenha dentes bonitos, alinhados e com uma função perfeita. Mas veja bem: Um tratamento ortodôntico visa muito mais do que do que estética.

Já que o tipo de amamentação influencia no desenvolvimento da criança, eu gostaria de aproveitar esta postagem e falar um pouco sobre o assunto...

Desde os primeiros minutos de vida o bebê está se desenvolvendo. A amamentação é responsável pelo futuro da criança. É importante durante a gravidez preparar as mamas para amamentar, assim  seu bebê gozará dos benefícios da amamentação que são:

  • Desenvolvimento do sistema respiratório. A respiração nasal e a sincronização da respiração. Uma criança que não foi amamentada no seio pode apresentar respiração bucal que acarreta muitos prejuízos para a criança, inclusive na sua boquinha. A respiração nasal é de extrema importância porque é através das fossas nasais que os receptores neurais enviam informações aos centros vitais sobre concentração de oxigênio, umidade, pressão e como resposta obtém a ventilação pulmonar adequada para seu bebê.
  • A amamentação, a respiração e posteriormente a mastigação, cujo desenvolvimento depende da amamentação no seio,  promoverá o desenvolvimento normal  do crânio facial e  seu posicionamento com relação ao crânio cefálico.
  • A deglutição madura, que está relacionada com a mastigação, se alcança através dos movimentos necessários para amamentação aonde são sincronizadas a articulação da mandíbula, contração muscular, vedação da língua, função respiratória e a deglutição.
Por isso na amamentação o bebê não faz simplesmente sucção, na verdade ele ordenha e essa ordenha tem 3 fases fundamentais:
  • Respiração nasal
  • Movimento da mandíbula
  • Excitação da articulação temporomandibular
O bom desenvolvimento de todas essas fases, só acontece quando o bebê é amamentado no seio. As mamadeiras, muito utilizadas nos tempos modernos, satisfazem apenas as necessidades nutritivas do recém nascido, mas as consequências da substituição da amamentação no seio pela mamadeira são: 
  • Respiração inadequada
  • Falta de desenvolvimento da mandíbula
  • Falta de sincronia entre respiração e deglutição
Quando nascerem os dentinhos a musculatura do bebê não será forte o suficiente para realizar uma correta atividade mastigatória, a preferência alimentar será por alimentos moles, pouco fibrosos e macios o que causará movimentos inadequados de mastigação podendo resultar em desequilíbrios oclusais, desequilíbrios no crescimento ósseo da face, seus dentinhos não sofrerão o desgaste fisiológico necessário, e aumenta o risco de adquirir respiração bucal.

Todas essas consequências podem levar seu filho a necessitar de correção ortodôntica/ortopédica! Se você não consegue amamentar seu filho alguns profissionais como o odontopediatra, a fonoaudióloga, a enfermeira podem  ajudar a diminuir esses danos.

Por isso mamães, preparem suas mamas e alimentem seus bebês! Nem sempre é fácil, mas é extremamente necessário!