Você sabe o que é Transtorno de dependência de tela?

Olá famílias,

Vamos conversar um pouquinho sobre a dependência que temos pela tela de um celular? Digo "temos", pois no mundo de hoje raras são as pessoas que não olham o celular assim que acordam ou é a última coisa que fazem quando vão dormir, sem contar nas dezenas de vezes que ficou no celular durante o dia...

O fato é que sempre que questionamos alguém que está olhando para o celular a primeira coisa que respondem é que estão resolvendo algo importante ou que olharam somente aquela hora. Vamos ser sinceros... olhamos o celular mil vezes por olhar, por ter curiosidade em algo de uma rede social, pra jogar conversa fora ou simplesmente porque estamos entediados e, esse comportamento é passado para os nossos filhos. Afinal, nossos filhos aprendem pelo exemplo e quanto mais eles nos vêem dependentes do celular mais eles se tornam um dependente também. 

Uma outra questão relevante é que o celular nos traz uma facilidade em deixar as crianças quietas e entretidas e acaba sendo mais fácil a gente dá o celular na mão da criança para que consigamos esperar numa fila lenta, arrumar casa com tranquilidade, ir à um restaurante evitando as famosas birras. Com isso, a Screen Dependency Disorder ou SDD que é o Transtorno de Dependência de Tela tem crescido no meio de nossa família entre crianças, adolescentes e adultos. Focaremos nesse post na dependência tecnológica que tem afetado a vida de nossas crianças e que pode sim danificar o cérebro do meu e do seu filho. 


O uso demasiado à exposição ao tempo de tela tem viciado nossas crianças, seja com vídeos, jogos, redes sociais ou uso compulsivo da Internet em geral. A criança que vive intensamente no mundo tecnológico é prejudicada no aspecto neurossensorial, fazendo com que ela desenvolva uma resposta sensorial precoce devido ao estímulo contínuo de luz e cores e também o Transtorno de Dependência de Tela  pode levar à problemas de visão, insônia, dor nas costas, ganho ou perda de peso, ansiedade, dores de cabeça, desonestidade, sentimentos de culpa, solidão e depressão. Outro aspecto afetado também é o social, se seu filho tem perda de interesses externos, mente sobre a extensão do uso, pensa que está perdendo algo ou algo ruim vai acontecer se não tiver conectado, esse é um sintoma que merece atenção.

Quanto mais cedo a gente evitar o uso excessivo da tela, melhor para nossas crianças. Para os bebês até 2 anos devemos escolher uma programação de qualidade e assisti-la com eles para ajudá-los a entender o que estão vendo. Já as crianças até 5 anos o uso deve ser limitado de 1 hora por dia. Acima de 6 anos devemos estabelecer limites para o tempo gasto, garantindo que o uso da mídia não substitua o sono adequado, as atividades regulares e outros fatores que interferem numa vida social saudável. Aqui em casa, por exemplo, temos algumas regras para usar as mídias, não usamos o celular durante as refeições e não substituímos nosso tempo juntos de conversas e saídas pela Internet. Sem contar, que apesar de ser blogueira, nem tudo precisa ser fotografado ou filmado, concordam?

A verdade é que nessa era totalmente tecnológica não é fácil ficar sem Internet e nem estamos dizendo isso aqui, precisamos da Internet para muitas coisas e o que queremos é seguir com segurança nessa vida on-line. 

Genislene Borges







Genislene Borges

Descobri na maternidade o que defini como sendo minha verdadeira vocação: ser mãe e apaixonada pelo Meu Mundo Materno, criei este blog para representar meus sentimentos e compartilhar minhas experiências com a maternidade.

4 comentários:

  1. Olá Genis
    Parabéns pela postagem, muito propicia para os dias atuais. Bjs querida.

    ResponderExcluir

Instagram