Olá famílias,

Muitas mamães me pediram dicas de como fazer o desmame e eu sempre respondo "Não sou a melhor pessoa pra dar dicas sobre isso..." José Marcos mamou até 2 anos e 9 meses e só parou porque o leite acabou e começou a doer meu peito. Eu disse "Filho, o leite da mamãe acabou" e ele respondeu "Acabou? Vou dar beijinho", naturalmente ele entendeu e todos os dias pedia pra dar beijinho ou dormir agarradinho no peito. Se não fosse por isso, acho que ele estaria mamando até hoje! (exagero kkkkkk)

Quando conto isso para as pessoas, algumas fazem cara de não acreditar, mas foi desse jeito mesmo, muito natural e creio que por ele já estar falando na época e entendendo o que eu dizia, facilitou e muito todo o processo.

Antes mesmo de engravidar eu tinha em mente em amamentar em livre demanda, sem pressa para o desmame e assim aconteceu, mas entendo e respeito a opinião das mamães que pretendem amamentar por menos tempo e para levar informação de qualidade para vocês, trago um texto escrito para o BabyCenter Brasil e aprovado pelo Conselho Médico do BabyCenter Brasil com dicas de como fazer o desmame. 


Quando devo começar o desmame?

Não existe uma regra para o momento do desmame. A orientação de especialistas e autoridades na área da saúde, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde, é de que o bebê receba exclusivamente leite materno até os 6 meses de idade e que continue sendo amamentado até 2 anos ou mais, mesmo que já tenha começado a ingerir outros alimentos.

A despeito do que amigos ou parentes possam falar, não há maneira certa ou errada de desmamar o bebê. Algumas mães preferem escolher o momento para parar de amamentar, enquanto outras deixam a decisão nas mãos da criança.

É uma decisão muito pessoal, que depende das circunstâncias de cada família.

Desmame definido pela criança

O desmame é definido pela criança quando não se estabelece um calendário fixo para deixar de amamentar. A mãe observa a criança para ver se há sinais de que ela está pronta (física e emocionalmente) para isso.

O que costuma acontecer é que a criança demonstra menos interesse pelo peito, mostra impaciência durante a mamada, substitui algumas mamadas por outros tipos de alimentos ou até prefere brincar. A mãe, melhor do que ninguém, saberá avaliar.

A sintonia entre mãe e filho é essencial para o que alguns chamam de 'desmame gentil', que acontece bem aos poucos, sem dramas, e por vontade da criança.

Desmame definido pela mãe 

Existem casos em que a mãe é quem decide iniciar o desmame, seja por circunstâncias ligadas ao trabalho, à saúde ou porque sente que é o momento adequado.

Mesmo quando o desmame é iniciado pela mãe, o ideal é que seja gradual. O processo requer paciência e pode levar algum tempo - esse tempo varia muito de criança para criança, mas pode se estender de algumas semanas a até seis meses.

Qualquer que seja a situação, desmamar uma criança não deixa de ser como uma longa despedida cheia de emoções misturadas - às vezes dolorosas, às vezes libertadoras.

O importante é que o desmame não signifique o fim da intimidade que você estabeleceu com seu filho durante o aleitamento. Se a hora da mamada servia para confortá-lo, procure ler ou cantar para acalmá-lo.

Como faço, na prática, para desmamar meu filho?

Vá devagar no processo do desmame. Os especialistas aconselham a não parar de amamentar de repente, porque a experiência pode ser traumática para a criança e nada confortável para você.

Passar, por exemplo, um fim de semana longe do seu filho não é uma boa forma de encerrar o aleitamento. Esse distanciamento, além de poder ser negativo para a criança, arrisca deixá-la com seios cheios demais e até levar a uma mastite.

Se seu filho não mostra sinais de que está pronto para parar de mamar, o desmame possivelmente será enfrentado com resistência. Tente ser paciente. Lembre-se de que a amamentação não é somente fonte da nutrição da criança, é também de conforto.

Evite também iniciar o processo de desmame em momentos mais conturbados da vida da criança, como o ingresso na escola e mudanças de casa, por exemplo, ou quando ela está doente.

Sempre que possível, tente se planejar para que o fim da amamentação não coincida com esses acontecimentos.

Tendo isso em mente, o melhor a fazer é ajudar seu filho a se ajustar à nova rotina. Você pode experimentar os seguintes métodos:
  • Só ofereça o peito quando seu filho demonstrar interesse. Se a criança estiver distraída na hora da mamada ou se abocanhar o peito por segundos apenas, pode ser que esteja indicando que é um bom momento para parar.
  • Associe outro membro da família com a alimentação. O ideal é que o pai ou outro membro da família ofereça alimentos para a criança para que ela não associe a alimentação apenas à mãe.
  • Intercale mamada e outros alimentos. Pule uma mamada e veja o que acontece. Dê leite em um copo de transição ou comum.

Ao ir reduzindo uma mamada por vez, a criança tem tempo para se adaptar às mudanças. Sua produção de leite também vai diminuir gradativamente, sem deixar os seios ingurgitados ou com uma possível mastite (inflamação mamária).
  • Atrase as mamadas. Tente adiar as mamadas se estiver amamentando só de vez em quando. Quando seu filho pedir o peito, diga que não chegou a hora ainda e procure distraí-lo.
  • Este método funciona bem com crianças um pouco mais velhas, com quem é possível tentar argumentar. Em vez de dar de mamar no começo da noite, espere até a hora de dormir.
  • Reduza o tempo de cada mamada. Comece limitando o tempo que seu filho fica no peito. Se ele costuma mamar por 10 minutos, tente amamentar por 5 minutos. Dependendo da idade da criança, é possível oferecer na sequência outro alimento.
  • Faça combinados. Explique para seu filho que as mamadas ficarão limitadas a certos momentos, e apenas por certo tempo, e procure se manter firme, para que ele não fique insistindo. Procure sempre dar um tom positivo aos combinados.
  • Esteja aberta à necessidade de adiar o desmame, se estiver sendo muito difícil. Caso o processo esteja sendo sofrido, talvez seja o caso de voltar atrás e esperar mais um pouco, para que vocês estejam mais prontos.

Espero que essas dicas ajudem as mamães que pretendem inciar o desmame.
Um grande beijo, Genis ;)




Olá famílias,

O tão sonhado encontro do blog aconteceu! Depois de quase dois anos esperando por este momento e após completar 100 mil seguidores em nossa fanpage, nosso encontro aconteceu e foi muito melhor do que eu imaginei! 



Nosso encontro aconteceu no Pula Pula Kids, um lugar lindo, apropriado para receber toda a família com espaço VIP para os adultos e muitos brinquedos para a criançada. O buffet é incrível, atendendo a todos os gostos. 

Escolhemos as cores do blog para a ornamentação e ficou lindo, um conto de fadas! 


A delicadeza das flores e dos personalizados deram um charme a mais na mesa. 










E como nosso encontro foi para comemorar os nossos 100 mil seguidores do blog, não podia faltar um big bolo, bem lindo com direito a velinha!





Tivemos também um momento só para as mamães. Fiz meu agradecimento pela parceria das mamães que estão sempre acompanhando o meu trabalho, a psicóloga Marilza bateu um papo com as mamães e tivemos sorteios de brindes de nossos patrocinadores. 





Muitas mamães enviaram mensagens querendo participar, mas limitamos as vagas para que pudéssemos dar atenção a todas e em três dias as vagas foram preenchidas, o que me deixou muito feliz!






Foi tudo perfeito! Vocês são incrivelmente parceiras, OBRIGADA! Compartilhar o meu mundo materno com vocês e terem vocês compartilhando as alegrias, os desafios e as aventuras da maternidade é MARAVILHOSO!




Agradeço a Deus, ao meu marido pelo incentivo e a todas as empresas que acreditam no meu trabalho: 

- L'Bel
- Sobrancelhas Design Volta Redonda.


E que venham mais encontros! Esse foi um dia para jamais esquecer! 

Beijos mil! 
Genis ;) #Gratidão 



Olá famílias,

Vamos parar pra pensar um pouquinho sobre o que marcou a sua infância? Eu me lembro das brincadeiras de pique com os primos, o cheirinho gostoso do almoço de domingo, do perfume Leite de Rosas da minha avó e das férias na casa da minha madrinha. Foram momentos inesquecíveis!

Mas... e os brinquedos? Ah sim, me lembro dos que eu amava, mas lembro ainda mais quando minha mãe sentava pra brincar de casinha, fingíamos que tomávamos cafezinho e fazíamos comidinha.

Chego a conclusão de que ganhar e dar presentes é muito bom, mas estar completamente presente na vida de quem amamos é melhor ainda e essa memória ninguém apaga! 

As melhores memórias da infância são baseadas nos momentos que vivenciamos a partir das brincadeiras, por isso relacionei algumas ideias, dentro de cada faixa etária, de brincadeiras que vocês podem fazer com seu filho ou sobrinho e que serão lindas memórias para toda a vida!

De 0 a 1 ano:
Brincar no chão com bolas.
Escutar e cantar músicas.
Brincar com água, mangueira ou piscina.
Ler historinhas. 

De 2 a 3 anos:
Desenhar, pintar, recortar e colar.
Brincar de pique.
Dançar.
Brincar com massinha de modelar. 

De 4 a 6 anos:
Pracinha.
Amarelinha.
Bambolê.
Estátua.
Mímica.

Acima de 7 anos:
Cabra-cega.
Malabarismo.
Caça ao tesouro.
Pipa.
Jogos com bola.

Uma atividade que José Marcos gosta muito de participar também é fazer algo na cozinha comigo. Já fizemos dezenas de vezes bolo, pizza, pastel, gelatina e com o auxílio de um adulto, este tipo de atividade é muito prazerosa e divertida.

Então a minha proposta é que desliguemos o celular (ou usá-lo somente para registrar estes momentos) e se divertir muito com nossos pequenos nesse dia das crianças!


Vocês topam a minha proposta?

Beijos, Genis ;)




Olá famílias,

Outubro é o mês da campanha intitulada Outubro Rosa que visa conscientizar a população sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Para ter informações completas e corretas sobre o assunto, trago um post do Instituo Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, o INCA.


CÂNCER DE MAMA

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação de células anormais da mama, que formam um tumor. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns tipos têm desenvolvimento rápido enquanto outros são mais lentos.

O tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do câncer de pele não melanoma, o câncer de mama responde por cerca de 25% dos casos novos a cada ano. Especificamente no Brasil, esse percentual é um pouco mais elevado e chega a 28,1%. Sem considerar os tumores de pele não melanoma, esse tipo de câncer é o mais frequente nas mulheres das Regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste.

Existe tratamento para câncer de mama, e o Ministério da Saúde oferece atendimento por meio do Sistema Único de Saúde, o SUS.

O QUE AUMENTA O RISCO?

O câncer de mama não tem somente uma causa. A idade é um dos mais importantes fatores de risco para a doença (cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos). Outros fatores que aumentam o risco da doença são:

Fatores ambientais e comportamentais:
  • Obesidade e sobrepeso após a menopausa;
  • Sedentarismo (não fazer exercícios);
  • Consumo de bebida alcoólica;
  • Exposição frequente a radiações ionizantes (Raios-X).

Fatores da história reprodutiva e hormonal:
  • Primeira menstruação antes de 12 anos;
  • Não ter tido filhos;
  • Primeira gravidez após os 30 anos;
  • Não ter amamentado;
  • Parar de menstruar (menopausa) após os 55 anos;
  • Uso de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona);
  • Ter feito reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por mais de cinco anos.

Fatores genéticos e hereditários*:
  • História familiar de câncer de ovário;
  • Casos de câncer de mama na família, principalmente antes dos 50 anos;
  • História familiar de câncer de mama em homens;
  • Alteração genética, especialmente nos genes BRCA1 e BRCA2.

*A mulher que possui um ou mais desses fatores genéticos/ hereditários é considerada com risco elevado para desenvolver câncer de mama.


COMO PREVENIR

Cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com a adoção de hábitos saudáveis como:
  • Praticar atividade física regularmente;
  • Alimentar-se de forma saudável;
  • Manter o peso corporal adequado;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Amamentar.

DETECÇÃO PRECOCE

O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos, aumentando assim as chances de tratamento e cura. Todas as mulheres, independentemente da idade, podem conhecer seu corpo para saber o que é e o que não é normal em suas mamas. A maior parte dos cânceres de mama é descoberta pelas próprias mulheres.

Além de estar atenta ao próprio corpo, também é recomendado que mulheres de 50 a 69 anos façam uma mamografia de rastreamento (quando não há sinais nem sintomas) a cada dois anos. Esse exame pode ajudar a identificar o câncer antes do surgimento dos sintomas.

Mamografia é uma radiografia das mamas feita por um equipamento de raios X chamado mamógrafo, capaz de identificar alterações suspeitas.

Mulheres com risco elevado para câncer de mama devem conversar com seu médico para avaliação do risco para decidir a conduta a ser adotada.

Mamografia de rastreamento e mamografia diagnóstica: qual a diferença?

No Brasil, a recomendação do Ministério da Saúde - assim como a da Organização Mundial da Saúde e a de outros países - é a realização da mamografia de rastreamento (quando não há sinais nem sintomas) em mulheres de 50 a 69 anos, uma vez a cada dois anos.

A mamografia de rastreamento pode ajudar a reduzir a mortalidade por câncer de mama, mas também expõe a mulher a alguns riscos. Conheça os principais benefícios e riscos desse exame:

Benefícios:
  • Encontrar o câncer no início e permitir um tratamento menos agressivo.
  • Menor chance de a paciente morrer por câncer de mama, em função do tratamento precoce.

Riscos:
  • Suspeita de câncer de mama. Isso requer outros exames, sem que se confirme a doença. Esse alarme falso (resultado falso positivo) gera ansiedade e estresse.
  • Câncer existente, mas resultado normal (resultado falso negativo). Esse erro gera falsa segurança à mulher.
  • Ser diagnosticada e submetida a tratamento, com cirurgia (retirada parcial ou total da mama), quimioterapia e/ou radioterapia, de um câncer que não ameaçaria a vida. Isso ocorre em virtude do crescimento lento de certos tipos de câncer de mama
  • Exposição aos Raios X. Raramente causa câncer, mas há um discreto aumento do risco quanto mais frequente é a exposição.


Mamografia diagnóstica

A mamografia diagnóstica, assim como outros exames complementares com finalidade de investigação de lesões suspeitas da mama, pode ser solicitada em qualquer idade, a critério médico. Ainda assim, a mamografia diagnóstica geralmente não é solicitada em mulheres jovens, pois nessa idade as mamas são mais densas, e o exame apresenta muitos resultados incorretos.

O SUS oferece exame de mamografia para todas as idades, quando há indicação médica.

Estas são as informações do INCA para vocês!
Compartilhe, ajude a divulgar!
Quanto mais informações as mulheres tiverem, mais chances terão de se cuidar!

Abraços, Genis ;)

As unidades hospitalares do INCA integram o Sistema Único de Saúde (SUS) e oferecem tratamento integral às pessoas que têm câncer. Estão localizadas na cidade do Rio de Janeiro e são classificadas como de alta complexidade. Isso significa que para ser paciente do INCA é necessário passar anteriormente por unidades de saúde de atenção básica (posto de saúde, ambulatório) e/ou de média complexidade (clínica especializada, hospital) onde tenha recebido o diagnóstico de câncer.





Olá famílias,

José Marcos ama os dinossauros e de vez em quando compramos algum livro ou brinquedo sobre eles. Os dinossauros encantam todas as idades e fazer uma festa com este tema, além de lindo, é um tema divertido e ainda ensina sobre conhecimentos históricos. 


A festa que escolhi para vocês é do Salão de Festas Pula Pula Kids e os detalhes da decoração estão de encantar... Confiram!


Bolo lindíssimo com a vela lembrando um dinossauro.

Riqueza nos detalhes dos personalizados.





Os doces personalizados dão um toque especial na mesa.






Incrível porta retrato de chocolate!



É ou não é uma festa lindíssima?
Deixe sua opinião nos comentários.

E para conhecer outras festas, entre na Fanpage do Pula Pula Kids e escolha a sua!

Abraços, Genis ;)




Nossa! Quero compartilhar com vocês como fiquei feliz pelo convite de ser uma Colunista neste renomado blog! Uauuuu!

Antes de tudo, gostaria de me apresentar, e contar um pouco da minha história para vocês.

Sou Luciana Andrade, 36 anos, administradora de formação, e especializada em gestão de pessoas pela FGV Rio. Atuei por mais de 15 anos na área de Recursos Humanos, sempre com Desenvolvimento Humano em empresas de pequeno, médio e grande porte.

Aos 33 anos me tornei mãe, e junto com essa dádiva da maternidade, ganhei a culpa! Sofri muito por ter que acordar tão cedo, deixar minha filha Lívia na creche e ficar há 50 km de distância... não acompanhar os primeiros dentinhos, a engatinhada, e os primeiros passos. Sofri com as febres e com as viroses (se é mãe, você irá me entender).

Engravidei novamente, e veio o meu 2º filho, João Paulo, mas agora de uma maneira totalmente diferente. Nasceu pré maturo, com 32 semanas, após uma semana tensa de trabalho, e foi para a UTI.

Meu mundo desabou!!! Enquanto eu o acompanhava na UTI fiquei pensando, o que EU poderia ter evitado para que ele não adiantasse tanto e me lembrei de toda pressão psicológica que estava passando no trabalho, e que consequentemente acarretou em um parto pré maturo.

Ao sair do hospital, tomei uma decisão: Meu coração dizia que EU não queria mais isso para mim, que eu precisava de um trabalho mais flexível que me permitisse ficar mais próximo aos meus filhos e pudesse os ver crescer!

E assim, fiz minha migração de carreira, agora, trabalho como Coach de Carreira, aplico meus conhecimentos de gestão de pessoas, e ajudo profissionais a tomarem as decisões conscientes de carreira.

E conhecendo muito bem esse mundo materno, e o que você mamãe passa, venho deixar "7 dicas de coaching" para mamães!



1. É preciso ter clareza nas prioridades do dia a dia, defina e priorize o que é urgente, o que é importante, e o que é delegável. Não esqueça de estruturar as tarefas delegáveis e acompanhar os resultados.

2. Coloque limites em determinados pontos, tenha um tempo para cuidar da casa, cuidar de você, da sua saúde,  reserve momentos de lazer com filhos, e momento para estar com seu esposo, e simplesmente conversar.

3. Tempo é prioridade! Por isso tenha sempre a sua agenda muito bem organizada. Anote sua rotina com mercado, estudo com filhos, tarefas de casa, trabalho, salão, um tempo para feminices, negocie com sua rede de apoio e comemore as suas conquistas!

4. Resista! Não tente resolver tudo de uma vez, pois isto desgasta sua mente e o físico, além da possibilidade de sentir-se frustrada por não conseguir realizar tudo de uma única vez! Mantenha o FOCO!

5. Divida as tarefas de casa e com os filhos com o marido. A família é um projeto comum, onde você e o marido são parceiros!

6. Coloque seus sonhos no papel e divida-o em curto, médio e longo prazo. Trace metas de como irão se capitalizar para essas conquistas.

7. Pratique o autoconhecimento, entenda seus pontos fortes, pontos a desenvolver e seus limites. Se esforce para ser sua melhor versão!



Luciana Andrade
Mãe da Lívia e do João Paulo
Coach de Carreira e Empreendedora
24-99812-5567



Dicas de Coaching para mamães por Luciana Andrade.
Quer saber mais sobre Coaching? Entre em contato coachlucianaandrade@gmail.com