Os benefícios do esporte para a capacidade motora das crianças com Síndrome de Down

Olá famílias,

Toda criança gosta de brincar, pular, correr e praticar diferentes esportes, não é mesmo? É nesse momento que, além de se divertir, ela também melhora sua qualidade de vida. O momento da infância é importante para o desenvolvimento motor, já que é nesta fase que as crianças estabelecem relações com o corpo, com o outro e o mundo ao seu redor.

A Dra. Ana Cláudia Brandão, pediatra responsável pelo atendimento de crianças com Síndrome de Down do Hospital Israelita Albert Einstein, fala um pouco sobre esses benefícios do esporte para a capacidade motora das crianças com essa síndrome.


Como é o processo de desenvolvimento da capacidade motora das crianças?

O desenvolvimento motor representa a forma como o corpo vai adquirindo habilidades para controlar seus movimentos à medida que a criança vai crescendo. Dentro deste desenvolvimento motor, temos a motricidade mais grosseira e a motricidade fina. A primeira se refere ao controle dos grupos musculares maiores - pernas e braços - e o desenvolvimento do equilíbrio. Já a segunda, acontece quando utilizamos nossos grupos musculares menores - musculatura dos dedos, por exemplo - importante para o movimento de pinça, usado para pintar e escrever.

O desenvolvimento motor segue uma sequência de cima para baixo, ou seja, os bebês inicialmente começam a firmar a musculatura do pescoço, e depois o tronco e braços, e por último as pernas. Por isso, a sequência habitual de desenvolvimento motor nos bebês começa pelo sustento da cabeça, seguido pelo sentar, engatinhar e andar. Claro que, à medida que as crianças vão ficando mais velhas, vão adquirindo mais habilidades motoras e isto dura toda a infância e adolescência.

Crianças com síndrome de Down seguem a mesma sequência do desenvolvimento motor e cognitivo das crianças sem a síndrome, porém, na maioria das vezes, o ritmo é mais lento, adquirindo, o que chamamos de marcos do desenvolvimento infantil, numa idade maior.  Devido à hipotonia muscular - músculos menos tensionados - e ligamentos mais frouxos que estas crianças apresentam, a fisioterapia é uma atividade muito importante na vida delas, ajudando-as no fortalecimento físico e a se movimentar de maneira correta.

Como o esporte pode auxiliar na qualidade de vida dessas crianças?

O esporte auxilia na qualidade de vida e saúde de todos. Na saúde, age fortalecendo a musculatura, melhorando o equilíbrio e coordenação motora, condicionando o sistema cardiocirculatório, além de ter um papel importante no controle de peso e prevenção de lesões. Na qualidade de vida, as atividades promovem divertimento, lazer e encontro com amigos, por exemplo. Muito além, o esporte é importante não só para as questões físicas, mas também as sociais e emocionais, trabalhando o espírito de equipe, a disciplina, a criatividade, a socialização e o senso de responsabilidade.

Os estímulos externos ajudam no desempenho em atividades físicas de forma geral. Assim como todos, existem pessoas com maior dificuldade em concentrar-se do que outras. Em todos os casos, é importante que as atividades físicas façam parte do dia a dia e que haja estímulo de amigos e familiares no processo. Somos testemunhas de que muitos jovens com síndrome de Down têm grandes habilidades em determinados esportes, mas para isso, tiveram a oportunidade de aprender, e mais importante, de praticar desde a pré-escola.

Como dito na pergunta anterior, por conta de sua hipotonia e ligamentos mais frouxos, as pessoas com a trissomia precisam ter cuidados adicionais, principalmente referente a problemas ortopédicos. Um exemplo é a instabilidade atlanto-axial, alteração na coluna cervical, que deve ser monitorada e acompanhada com muita atenção, caso haja interesse em praticar atividades esportivas, descartando as de maior impacto. Devido a estas especificidades, pode ser necessário avaliação e acompanhamento de especialistas, como ortopedistas e educadores físicos. 

O mais importante é que a atividade física seja estimulada sempre e faça parte do cotidiano de toda criança, tendo a família papel essencial para que isto se torne uma realidade.


Este post contou com a colaboração da marca Sadia.

Meu Mundo Materno

Professora, psicopedagoga e blogueira de coração. Descobri na maternidade o que defini como sendo a minha verdadeira vocação: ser mãe

6 comentários:

  1. Ótimo post, vemos sempre informações sobre a importância do esporte, mas até então não havia visto algo voltado / falando sobre as crianças com síndrome de down

    Bjs Mi Gobbato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, fico feliz em saber que gostou.
      Precisamos falar mais sobre isso né?

      Excluir
  2. O esporte ah da na qualidade de vida de todo mundo. Especialmente as crianças. Especialmente aquelas que demandam uma atenção diferenciada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Talita, esporte é bom para todos, estejamos de olho em nossas crianças.

      Excluir
  3. Oi Genis
    Ótimo post!
    Concordo com as orientações da Dra. Ana Claudia.
    Tenho um primo portador de Síndrome de Down e ele pratica natação desde pequeno, ganhou várias medalhas e sua saúde é muito boa, além de ter mais disposição.
    Exercício físico é tudo de bom, ajuda sempre!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha que bacana! Um testemunho de quem vivenciou!

      Excluir

Instagram