Alimentação infantil: um gesto de afeto.

Olá famílias,

Uma das dúvidas mais comuns enviadas pelas mamães à nossa página é sobre alimentação infantil e, pensando em levar conteúdo de qualidade para vocês, o post de hoje conta com as dicas da nutricionista Marcela Mendes.


Os hábitos e preferências alimentares são definidos desde a infância, por isso boas escolhas devem ser feitas desde o inicio, impactando diretamente nas escolhas de um adulto saudável.

Crianças amamentadas pela mãe se beneficiam muito, uma vez que o leite materno possui os nutrientes essenciais para o sistema imunológico e prevenção de doenças. No entanto, a alimentação da mãe é crucial para a boa qualidade do leite e saúde do bebê.

Quando para criança é ofertada uma alimentação de qualidade, balanceada e rica em nutrientes, espera-se crescimento e desenvolvimento adequados, prevenindo doenças como sobrepeso, obesidade, diabetes, hipertensão e mesmo alguns tipos de câncer, que podem ser desenvolvidos na fase adulta, mas também comuns na infância.

O ato de comer deve ser um ato prazeroso e os pais precisam estimular de diversas maneiras a introdução e o consumo de verduras, legumes, frutas, cereais integrais, proteínas, fibras, gorduras essenciais e a quantidade adequada de água. Crianças seguem os exemplos dos pais, por isso é preciso se atentar ao que se consome frente a elas.

Entenda que a comida não deve ser encarada como um castigo ou mesmo um prêmio, a criança precisa entender a importância de uma refeição. Não a obrigue a comer a todo o momento ou quando ela demonstrar não sentir fome, mas também não a ofereça opções de lanches quando for o momento de se alimentar com comida. Permitir que crianças consumam doces, bolos, refrigerantes e outros alimentos industrializados, por falta de tempo, não é educação alimentar.

Também é importante determinar horários e rotina alimentar, associada a um cardápio equilibrado para que aja adaptação e aceitação. As refeições devem ser feitas preferencialmente em locais tranquilos, sem televisão, celular, tablet ou aparelhos que possam desviar a atenção do alimento. Mas, não se esqueça de que a alimentação não deve ser um momento de frustrações.

Ensinar à criança que a mastigação precisa ser feita lentamente e que um prato com alimentos coloridos é mais nutritivo, faz total diferença quando o assunto é nutrição e saúde.

Alimentar é um ato de afeto, é amar e cuidar.


Marcela Mendes - Nutricionista Mundo Verde

Comentários
2 Comentários

2 comentários:

  1. Cuidar para manter a alimentação da nossa família saudável é mesmo um ato de amor!

    ResponderExcluir
  2. TIve muita sorte com a alimentação da Bia, mas nem todas as crianças são assim!As mamães precisam de orientação!Ótimas dicas!

    ResponderExcluir